Monday, 10 November 2008

Dia de Médico ... e outros acontecimentos

A CV teve consulta de vigilância.

Tudo bem, tudo correcto, talvez um bocadito aborrecido (riso) porque está tudo bem.

A CV é precoce, menino que vê o corpo disparar em homem antes de todos... mas parece ter a cabeça "limpa"... "é a vida" afirma com um sorriso perante a cara espantada da médica que o viu literalmente nascer e acha de repente (enquanto desvia a cabeça para escrever no computador) que um homem lhe entrou no gabinete. riem-se os dois, aliás, rimo-nos os três. É a última vez que entro com ele, vaticina com ar orgulhoso! A próxima vem o meu adolescente sozinho, está bem?

Na sala de espera, pacientes (nós) lemos os nossos livros - esses bichos raros que nos acompanham para todo o lado. Tão pacientes que nem ouvimos a funcionária chamar o nosso número. A que nos conhece (também) desde que esta CV era intra-uterina ri-se com um "sempre acompanhados". Até posso dizer que é triste ser tão estranho estarmos "sempre" (como disse) acompanhados... mas isso serão outras considerações.

Enquanto conduzo recebo uma chamada que (claro) não atendo - ah! é verdade! sou daquelas que não atende o telefone enquanto conduzo :) - e quando tento devolver a chamada percebo que é da escola da CV, mais concretamente da Directora de Turma que, porque não me encontra, decide ligar ao pai. Quando consigo falar com o F para perceber que quereria a Senhora, recebo uma voz ainda a rir da trapalhada que para ali surgiu.

Tudo porque, pelos vistos, ao contrário da grande maioria dos casais da nossa praça sempre insistimos (e é a palavra certa, insistir) para sermos os dois Encarregados de Educação. Para perceberem, dizem-nos sempre que isso só costuma acontecer com os pais separados, isto de insistir em dois encarregados de educação, e que isso costuma acontecer para os pais se vigiarem, blá, blá. Lá explicamos que é apenas uma razão logística. Temos horários díspares e assim podemos sempre tomar decisões sozinhos. Esta gerência por parte das DT de saber sempre o que falar e a quem falar sobre os alunos é absurda e muito complicada, admito. É evidente que recorrem ao "normal", ou seja, falam com a mãe.

Mas isto não é agradável ao F, que, como um D. Quixote, se vê perante a situação de provar a todo o tempo que é um pai presente, um encarregado de educação activo e que está a par de tudo o que diz respeito às nossas Crias. Não é incomum os pais irem às reuniões, de facto, mas remetem-se muitas vezes ao papel de assistentes ou "secretários" respondendo "depois pergunto à mãe" sobre qualquer decisões ou questões. O F. não é assim... e, imagino-lhe o enfado, cansa-se por ter sempre de o provar. "Pode falar comigo. Eu sei o que se passa."

Não é normal. Pode não ser a regra, mas é o que se passa lá em casa.

Uma boa semana para todos!

7 comments:

Once said...

a partilha da preocupação e do compromisso ainda que possa não ajudar a resolver ajuda a dormir melhor .. te garanto! ;)

Beijo

Nocas Verde said...

dormir... até à uma da tarde!!!

drengo said...

...e uma boa semana, também :)

Once said...

confesso minha Amiga quer era esse o pensamento subsequente .. (risos)

;)

Nocas Verde said...

(risos) era, não era, minha cházinha?

Caro Drengo,
para si também!

Luísa said...

Por aqui também há dois encarregados de educação, Nocas, sempre muito presentes… Mas, como já adivinhou, só um está verdadeiramente atento e informado. ;-)

Nocas Verde said...

Querida Luísa,
:)