Wednesday, 3 October 2007

Mas afinal (II)... Epílogo

Por vezes procurar o significado das palavras que comummente utilizamos só serve para nos baralhar ainda mais!!!

Assim aconteceu comigo quando procurei deslindar se afinal era saudosista ou saudosa!!!

Para tentar acabar com o busílis, ou para complicar ainda mais, deixo umas citações do Citador:

Tudo o que os jovens podem fazer pelos velhos é escandalizá-los e mantê-los actualizados.
A juventude é uma coisa maravilhosa. Que pena desperdiçá-la em jovens
George Bernard Shaw Irlanda[1856-1950] - Compositor / Comediógrafo / Escritor / Dramaturgo / Crítico

Os jovens adoram desobedecer. Mas, actualmente, não há mais ninguém para lhes dar ordens
Jean Cocteau França[1889-1963] - Autor / Realizador

!!!!!

Pareca à primeira vista que não sou saudosista. Não, não sou, definitivamente saudosista. Não venero o passado e não assumo o dogma de que no meu tempo é que era!

Esse tema é velho e esbatido... TODAS as gerações dizem que no seu tempo "é que era"...
Termos saudades dos tempos de inocência, meninice, daquelas pequenas coisas que tínhamos ou das maravilhas que não tínhamos...

No "meu tempo" a televisão era composta por 2 canais (CV - como é que conseguias viver?!!!) e que não funcionavam o dia todo.
Mas no tempo dos meus pais NÃO havia televisão.

No meu tempo os discos eram de vinil (CN - quê?!!!!) e colocados a tocar no gira-discos com uma agulha e, muitas vezes, uma moeda de $50 para "fazer peso".
No tempo dos meus pais eram poucos os que tinham sequer uma grafonola.

Digam lá se não crescemos a ouvir os nossos pais a dizer "no meu tempo..." e os nossos avós, e até os nossos irmãos mais velhos...

Esta parte parece resolvida. O mundo evolui. Algumas vezes revolui. E, em todos os tempos, a meninice e juventude é (ou deverá ser) caracterizada por um espectáculo de coisas novas, que os pais não tinham, por um inconformismo com poderes e tradições.
A generation gap está cá desde sempre, parece!

Mas ter saudades de tudo isto não me parece mau. (E aqui fujo ao significado da palavra!...)

Voltando ao assunto original para não me alongar e dispersar ainda mais, concluo isto: tenho MUITO carinho saudoso das séries, dos anúncios, da música, disto e daquilo... rio, choro, divirto-me, viajo ao e no passado.

Mas ESTE tempo que vivo é, e será, enquanto estiver deste lado da vida, o MEU tempo. O meu tempo de criança, juventude, mulher, esposa, mãe, adulta, e, assim Deus queira, sogra, avó, velhinha...

... e hei de contar aos meus netinhos "...no meu tempo..." com o ar mais carinhoso que me for possível, contar-lhes-ei histórias fantásticas tal como as que ouvi da minha avó e deliciá-los-ei com aventuras de tempos idos.

E quando levar os meus netinhos ao Museu dos Coches vou ouvir com igual ternura e riso aquilo que ouvi das minhas crias:

- ...quando eras novas era nestas coisas que andavas?

4 comments:

Once In a While said...

eu não quero cortar seu barato viu ? (risos) .. mas minha querida .. no tempo nos teus netinhos os coches do museu já terão provavelmente sido vendidos para pagar a dívida externa .. ou outra qualquer entretanto contraída .. vai comprando uns postais .. just in case ;)
Beijos

Nocas Verde said...

Com amigas assim!!!... ok, ok
Talvez tenhas razão

Talvez nesse tempo já os Museus serão virtuais e poderemos passear por entre hologramas dos ditos...

Mas eu, que sou estupidamente naif, continuo naquela que o D. Sebastião há de voltar num dia de nevoeiro e salvar o noso país, e restaurar o orgulho (ai que palavra tão politicamente incorrecta...) de Portugal, e seremos Grandes...
ou isso
ou o Mourinho vem para Seleccionador e ganhamos o Mundial de Futebol!!!!!
LOL
ou melhor
RABA!

Bongop said...

Com 43 ainda consigo estar mais à frente e escandalizar alguns jovens :-P

Nocas Verde said...

Sei que continuo sem envelhecer por aí além quando vejo (não poucas vezes) as minhas crias a mirarem-me com uns olhos de reprovação / diversão / escândalo...
"És tão louca, mãe!"
Um bom dia Bongop!!