Friday, 25 September 2009

Vinte e Cinco de Setembro de Mil Novecentos e Noventa e Três

O nascer do sol pareceu-me triste. Triste demais. Era eu, sei agora, que estava triste demais para um dia tão feliz.

Não me permiti chorar naquele momento. Não estaria ele comigo. Mas não faria drama, nem assumiria uma posição de menina mimada. Aceitei a mão do meu padrinho e aceitei ser ele e não o meu pai.

Realizei que há três noites que não dormia mas tinha energia para dar e vender. Duche demorado, ida à cabeleireira, vestir, preparar as últimas coisas, últimos pormenores. O telefone não parava de tocar. As flores que ainda não tinham chegado, as crises familiares com aquele parente que insiste que não quer estar ao pé daquele, o último, mais importante pensei eu, que me disse que não estavas em lado nenhum.
Tenha calma, respondi. Terás reconsiderado? Terás pensado que afinal a minha vida era demasiado complicada para partilhar? A coragem que sempre tive nos momentos de apuros disse-me que não. Tenha calma, repeti, não chore. Ele foi só à praia. À nossa praia, disse para mim.

Lembro-me de tudo e de todos os momentos daquele dia. Não tive a posição de princesa que se deixa embalar, nem faço ideia do que isso possa ser. As decisões e os fogos contínuos fui eu que os resolvi. Todos. Convidados, fornecedores, familiares, fotografias. E Rocha fui, claro. Porque como em todos aqueles anos, viram-me sempre como a forte.
Vi-te os olhos quando entrei na Igreja. Sorriste-me. Sorri-te.


Dezasseis anos.
Amo-te os filhos que me deste.
Amo-te o respeito que me tens.
Amo-te pelo homem que és.
E afinal que amor é este que nos une? Que coisa é esta que dura há tantos anos que dura e perdura que se fortalece e apura que envelhece com graça, honra e carinho? Que sentimento é este que ainda me faz corar quando me chamas?



Não sou romântica, nunca fui. Aliás, sei que fui, muitas vezes, cruelmente verdadeira, porque contigo, meu amor, contigo nunca usei máscaras. Nunca disse nada que não sentia; nunca afirmei nada que não fosse a total afirmação do que pensava.


Se condescendi, transigi, perdoei, olhei para o lado, relevei, não respondi? Claro. E tu também, muito.

Acordei no dia seguinte com um sol bonito. Vi-te. Pela primeira vez soube que as lágrimas que derramaria seriam acarinhadas. Sabia que estarias lá. E chorei. De alegria, de emoção, de paz.

O nosso sol era belo. A praia sorriu para nós, também. A vila pitoresca enfeitou-se só para nós. Os velhos sorriram, as crianças brincaram, a peixeira velha benzeu-nos; soube que nos amávamos e desejou-nos felicidade.

Dezasseis anos.




Digo-te os votos de há dezasseis anos com menos inocência mas acredita-mos.
Um bom dia, my love.
Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu
braço, porque o
amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme;
as suas brasas são
brasas de fogo, com veementes labaredas. As muitas águas
não podem apagar este
amor, nem os rios afogá-lo. Aonde quer que fores, irei
eu e, onde quer que
pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o
teu Deus é o meu Deus.
Onde quer que morreres, morrerei eu e aí serei
sepultada; faça-me o SENHOR o que
bem lhe aprouver, se outra coisa que não
seja a morte me separar de ti.
(o poema é de Simon and Gargunkel; os votos são adaptados de Cantares de Salomão 8:6 e Rute 1:16)

10 comments:

CPrice said...

.. e eu agora, que tenho a mania que tenho sempre algo a acrescentar, fico sem palavras e de olhos húmidos a desejar-Vos mais 16, mais 32, mais muitos e sempre assim.

Abraço aos dois*
Beijos aos quatro :))

nocas verde said...

obrigada, amiga... mesmo. :)

Luísa said...

Muitos parabéns, Nocas, e que continue sempre assim, feliz e romântica, na companhia dos seus três amores (V, CV e CN).
Um beijo. :-)

nocas verde said...

Obrigada, Luísa.
Assim espero :)
um óptimo fim-de-semana
beijo

drengo said...

na verdade, não consigo comentar.
um bom fim-de-semana para todos.
abraço

Gi said...

Ai é tão bom quando assim nos mantemos. Tão bom, tão bom!
Venham mais muitos, sim?

nocas verde said...

Dear Sire,
:)
um óptimo fim-de-semana para si também!

nocas verde said...

Venham sim, Gi.
(e sim, é mesmo muito, muito bom!)
beijos :))

Ka said...

Chego 35 minutos atrasada...mas fico sem palavras perante este texto. Que tenham muito mais e de preferência vividos desta forma :)

Parabéns aos 2 :)

Beijinho grande

nocas verde said...

Ka, querida,
uma "instituição" como esta tem direito pelo menos a dois dias de festejo... ainda vais muito a tempo :)
obrigada pelo elogio e pelos desejos...
beijinho grande para Vós também :)