Tuesday, 29 July 2008

1920-2008

Anda deitar-te, fiz a cama de lavado
Cheira a alfazema, o meu lençol alinhado
Pus almofadas com fitas de cor,
Colcha de chita com barras de flor
E à cabeceira, tenho um santo alumiado

Volta esta noite pra mim,
Volta esta noite pra mim,
Canto-te um fado, no silêncio, se quiseres
Manda recado ao luar, que se costuma deitar
Ao nosso lado, para não vir hoje, se tu vieres

Ponho o meu xaile, pra te servir de coberta
E um solitário ao pé da janela aberta
Pus duas rosas que estão a atinar
Beijos vermelhos, sem boca para os dar
Sem o teu corpo, minha noite está deserta

Volta esta noite pra mim,
Volta esta noite pra mim
Ser agarrada, por teus braços atrevidos
Quero o teu cheiro sadio, neste meu quarto vazio,
De madrugada, beijo os teus lábios adormecidos
Manda recado ao luar, que se costuma deitar,
Ao nosso lado, pra não vir hoje, se tu vieres

_______________________________________

Fernanda Batista morreu

O fado cansou-se de tanta dor que sofreu
Morreu, elevou-se, subiu ao céu
as nuvens é vê-las
sobre o céu azul estrelado
juntinho às estrelas a ouvir cantar o fado


Foi madrinha de muita gente.
Foi minha madrinha de palco também.

Nunca lhe ouvi uma única palavra amarga ou queixume. Recebeu aquelas 4 jovens miúdas como se netas fôssemos e ela própria (que nuna nós teríamos coragem para tal) se ofereceu para nossa madrinha de palco.

Deliciou-nos com tantas, tantas histórias, cantou só para nós.

Nós, irreverentes, ousámos pregar-lhe partidas. Riu-se deliciada com uma gargalhada limpa, sonora, inesquecível, agradecendo-nos a irreverência, porque já ninguém tinha coragem de brincar com a SôDona Fernanda Batista.

Vivemos intensamente como grupo naqueles meses. Só quem por lá passa sabe o que e como se vive aquele cheiro a tábuas.

Uma nossa colega perdeu a mãe. Uma outra sofreu com a morte assassina do tio. Outro divorciou-se. Um outro conheceu a namorada… em tudo procurávamos a mão amiga desta Senhora.

Vivemos sem dinheiro, sem público. Vivemos em festa, casa cheia, encores, gargalhadas, buchas. O cenário que se parte, a actriz que cai, o músico que tosse.

(...)

E apenas uma vez lhe ouvi dizer sobre alguém “não presta”. Sem alarido, apenas a nós as quatro. E tinha tanta, tanta razão.
Descanse em paz, Senhora Dona Fernanda Batista. Obrigada por tudo.

2 comments:

Once said...

Bonita homenagem Minha Amiga a alguém que sei te diz muito.
Gostei de ler este teu sentir. Sei que sim .. descansará em Paz *

Beijo solidário

Nocas Verde said...

Grata, amiga.