Friday, 15 January 2010

podem chamar-me utópica…
podem, podem. não me incomodo.
já está?
ok, então.
o Assunto não é, de facto, para rir, mas ao reler o que escrevi acho que sou mesmo utópica. ou naif. ou as duas.


como (muito) poucos a minha querida Cházinha (d)escreve o que aconteceu naquela pequena ilha. o chão a tremer. o mundo a ruir. quem já tinha tão pouco ficou sem nada. as notícias chegam, como outros tremores de terra. a falta de Tudo. Tudo.
E vamos ouvindo e vendo e sabendo e agradecendo intimamente pelo quentinho das casas, pelo prato à frente por poder reclamar da cria que não come tudo, por… levantamos as nossas preces para que algum conforto chegue. apetece fechar os olhos, mudar o canal mas não é essa a decisão lá em casa.

não trago nada de novo, eu sei, mas enquanto deixávamos arrefecer o prato porque víamos e comentávamos uma das minhas Crias fala
- mãe, o mundo inteiro está a ajudar, que bonito…
ficamos em silêncio. fiquei eu a pensar que – infelizmente? – vê-se nestas alturas a mobilização de todos. liga a Humanidade o botão da solidariedade, numa acção conjunta… Bonita
e depois (tenho a mania de ligar a estes pormenores, desculpem lá) uma história que até pode ser “fofoca”. daquelas coisas que até podem irritar. a história do jogador haitiano de um clube português. as imagens mostram-no sentado com uma lágrima que esconde como se fosse suor. baixa a cara porque sabe que está lá a televisão. um outro jogador põe-lhe displicentemente o braço por cima dos ombros. abana-o e diz-lhe qualquer coisa, arranca-lhe um sorriso e um suspiro. aquele abraço como se não fosse nada, aquele esforço por arrancar um sorriso, uma baboseira talvez. levou-me às lágrimas.
que bonito, digo eu também
uma oração que se levanta, um Coração que se une. a Humanidade que se revela.

que bonito

6 comments:

CPrice said...

.. há tantos a fazer tanto mais que eu Minha Amiga que este destaque por aqui em casa tua é totalmente imerecido e fruto da Amizade que nos une.
Que a tragégia de outros sirva a solidaridade de alguns também já vi criticado pelas engomadeiras de serviço que coexistem ao longo dos tempos com gente de bem.

Que não se fique insensível à desgraça de um povo inteiro, é o que desejo.

Beijo para ti :) menina sensível .. *

nocas verde said...

que é fruto (e bom fruto que é) da amizade, é sim, senhora, mas não imerecido. grão a grão, é verdade... mas há uns grãos de arroz e outros de feijão... e outroa de mostarda... adiante

as engomadeiras de serviço são 24/7... sempre abertos e sempre de serviço
servir a solidareidade de alguns? e que mal há nisso, digo eu que sou menina (e ao tempo que não o era) sensível. não me lembro quem disse que a solidariedade era um egoísmo bom... não creio mas mesmo que seja
também é o meu desejo
beijos dAqueles

Luísa said...

O meu voto, querida Nocas, é que a solidariedade (aos altos níveis públicos) se faça, doravante, sentir antes e não só depois. E sentir sempre, e não só quando estas coisas acontecem. Um beijinho de bom fim-de-semana. :-)

Rita said...

Também me comove toda esta onda de solidariedade os soldados e bombeiros de outros paíse que se juntam e lá vão ajudar no que podem. Eu própria gostava de poder ajudar de poder andar lá a afastar pedras e escombros mas tenho que me reduzir à minha insignificância e ficar apenas a assitir a sorrir quando alguém é encontrado com vida e a chorar quando vejo o desespero de outros que não sabem o que aconteceu aos seus...
Jokas

nocas verde said...

Querida Luísa,
tem toda a razão, claro.
(e li o seu texto... nem consegui comentar de tão certeiro... as usual)
tenhamos esperança no Ser Humano que no Político... não sei :)
um óptimo fim-de-semana*

nocas verde said...

Rita, querida,
identificamo-nos, não é verdade?
sorrimos e choramos com eles
bom fim-de-semana para o Reino dos R's
beijos